Baixo índice de competitividade do Brasil preocupa

A A.T. Kearney acaba de anunciar uma nova pesquisa local - o Índice de Competitividade Brasileira, que discute aspectos relevantes da competitividade e do ambiente de investimentos no Brasil. Esse estudo, realizado em parceria com a Amcham, identificou potenciais gaps do Brasil em relação a outros 12 países no mundo e sugere ações de apoio à promoção e atração de investimentos diretos. O Brasil ficou em 12º lugar no ranking, onde os cinco primeiros colocados foram Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido, China e Itália. E atrás de economias como México, Colômbia, Grécia e África do Sul. O estudo é dividido em três grandes pilares indicadores de competitividade:  Base econômica - avalia o mercado relevante e crescente, custo de capital, fluxos de investimentos constantes, participação das exportações globais, exportações e importações e resultado da balança comercial.  Ambiente Institucional - avalia menor burocracia, eficiência dos gastos públicos, baixo custo fiscal, nível de transparência, ambiente regulatório e respeito aos contratos.  Produtividade Operacional - avalia a produtividade da mão de obra, infraestrutura, capacidade de inovação e empreendedorismo. Nos pilares avaliados, a colocação do Brasil não foi satisfatória. O País ficou em 9º lugar em Base Econômica, 12º em relação ao Ambiente Institucional e em 12º lugar em Produtividade Operacional. "Apesar de se destacar em alguns fatores críticos individualmente, o Brasil apresenta deficiências em diversas dimensões. Encontramos nove grandes deficiências que foram realçadas na análise de competitividade" afirma Mark Essle, Sócio da A.T. Kearney no Brasil e responsável pelo Estudo. São elas: Base Econômica: 1 - Crescimento negativo do PIB e baixo PIB per capita; 2 - Juros altos, que restringem a capacidade de crédito e formação bruta de capital fixo; 3 - Baixo valor agregado nas exportações e barreiras comerciais de todo o tipo. Ambiente institucional: 1 - Burocracia, entraves ambientais e leis complexas ou ambíguas afastam os investimentos; 2 - Sistema fiscal com grande complexidade e alta carga de impostos; 3 - Ambiente instável em relação à execução de leis e contatos; baixo grau de proteção aos investidores em caso de falências. Produtividade operacional: 1 - Produtividade baixa e sem evolução, devido à cultura de direito adquirido, às lacunas de educação e tributação do investimento; 2 - Baixa qualidade da infraestrutura viária, aérea e marítima, instabilidade de preços e fornecimento de energia e grandes perdas em sua transmissão e distribuição; 3 - Baixo estímulo à pesquisa, inovação e ao empreendedorismo, mediocridade nos startups e pouca reinvenção dos negócios. "Acreditamos que a retomada deve se basear em dois grandes focos: reinserção do Brasil na economia global e aumento da produtividade. E, para isso, os acordos comerciais e a simplificação tributária alavancariam papel do Brasil na economia global, enquanto que o aumento da produtividade pode ser obtido a partir da simplificação de leis trabalhistas e mais investimentos em infraestrutura", conclui Essle.


Fonte: Revista Ipesi Digital

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

RONEMAK

®

Tel.: +55 (15) 3363-9393   /   Fax: +55 (15) 3363-9397

Tel. alternativos: +55 (15) 3263-5393 / 3263-5316

  • YouTube Social  Icon
  • Blogger Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Google+ Social Icon

Rua das Indústrias, 65, Boituva, SP 18556-322

vendas@ronemak.ind.br

© 2016 Ronemak Máquinas Operatrizes. Todos os direitos reservados.